A partir desta quinta-feira (30) a Fundação Badesc expõe pela primeira vez algumas coleções particulares que têm como tema a Vila de Nossa Senhora de Desterro e a atual Florianópolis.

A exposição Iconografia 344, com curadoria do médico Ylmar Correa Neto, torna acessível ao grande público documentos raros, pinturas, aquarelas, desenhos, gravuras, mapas e livros originais dos séculos 16 a 19.

“A mostra é uma oportunidade singular para se conhecer um verdadeiro patrimônio histórico sobre a capital catarinense que vem sendo sistematicamente adquirido em leilões e lugares especializados espalhados em várias partes do mundo. Este rico e importante material jamais foi reunido em uma exposição ao público no Brasil. Nessa exposição será possível apreciar a evolução da cidade, seus habitantes, sua fauna, sua flora e seus limites”, declara Ylmar.

Entre as obras que serão apresentadas está a gravura de 1787 Vista da Ilha de Santa Catarina, de Gaspar Duche de Vancy, artista da expedição do navegador Francês Jean- François Galoup de La Perouse, que aportou na ilha de Santa Catarina em outubro de 1785. “Esta obra é a primeira vista da vila de Nossa Senhora do Desterro”, conta Ylmar.

A exposição também apresenta obras modernas e contemporâneas que dialogam com os primeiros registros da Ilha de Santa Catarina. Três obras do modernista Martinho de Haro, que retratam o hospital de Caridade, o conjunto Miramar e o Morro das Pedras mostram a cidade em meados do século XX. Entre os artistas contemporâneos nomes como Walmor Correa, Carlos Asp, Diego de Los Campos, Yara Guasque, Fernando Lindote e Paulo Gaiad garantem o contraponto com as obras históricas.

O nome da exposição – Iconografia 344 é alusivo à “nova” idade da cidade. A Lei Municipal 9.861/15 alterou a idade de Florianópolis, que passa agora a ser contabilizada a partir de 1673, ano da chegada do capitão Francisco Dias Velho. Desta forma, em 2017 Florianópolis celebra 344 anos.

Mais informações: (48) 3224-8846

1 Comentário

Escreva e participe

Fique tranquilo, seus dados nunca serão divulgados