Além das praias, Floripa também é conhecida por suas variadas trilhas. Por seu relevo e vegetação exuberantes, tem caminhos ideais tanto para novatos quanto para andarilhos mais experientes.

Para o primeiro grupo, que não tem o costume de fazer trilhas com regularidade, são indicadas trilhas que sejam bem marcadas e não contem com muitas subidas. As mais apropriadas são as da Costa da Lagoa, Gravatá e Naufragados.

Trilha Costa da Lagoa

Uma trilha plana por quase todo o percurso. Percorre aproximadamente 8km de uma região que por muitos anos foi conhecida como “o Celeiro da Ilha”, devido a suas atividades agrícolas. Hoje podem ser vistos poucos engenhos, que ganharam status de atração artística. Além disso, muita Mata Atlântica e a Lagoa da Conceição completam os atrativos com louvor.

Do ponto mais elevado é possível apreciar uma vista panorâmica das dunas da Joaquina, toda a extensão da Lagoa, da reserva ecológica do Rio Vermelho, do Morro da Barra da Lagoa e da Ponta da Galheta. No fim da trilha há cachoeira e com piscina para um banho refrescante. Na enseada também são encontrados bares e restaurantes com decks para apreciar as águas da formosa Lagoa.

Vá bem preparado, pois apesar de não apresentar grandes desafios, a trilha é extensa e pode durar entre 3 e 4 horas. Se cansar, não se preocupe: a volta pode ser feita por um barco que leva até o trapiche do Centrinho da Lagoa.

Trilha da Praia do Gravatá

Gravatá é uma pequena prainha entre as famosas Praia Mole e Praia da Joaquina. Tem cerca de 60 metros de areia. Para chegar lá, há uma caminhada curta e fácil. Mesmo com uma subida no início, o tempo da trilha é de aproximadamente 30 minutos. Sua entrada é marcada por uma placa da escola parapente sul, na Estrada Geral da Barra da Lagoa.

Sobe-se um morro, onde no topo encontra-se o ponto utilizado para saltos de parapente. Para chegar a Praia do Gravatá, basta descer. Lá estará uma pequena vila de pescadores. Diz a lenda que ao amanhecer é possível encontrar lontras na praia, apesar destes animais já terem sido bastante caçados por pescadores, ainda formam uma colônia neste local.

Trilha da Praia de Naufragados

A praia fica no extremo sul da Ilha e é acessível por uma caminhada de cerca de 50 minutos pela Mata Atlântica. Pelo caminho, diversos riachos onde é possível beber água e se refrescar. Tem um caminho bem marcado, onde para não se perder basta seguir a trilha principal. O ponto de partida é a praia Caieira da Barra do Sul, no ponto final do ônibus Caieira da Barra do Sul. Se for de carro, também há estacionamento no local.

A praia está em área de preservação, mas encontram-se algumas casas simples de madeira, que formam uma pequena comunidade onde funcionam alguns poucos restaurantes, onde é possível comer frutos do mar por um valor acessível.

Além das belezas naturais, os visitantes podem sentir a aura de mistério que cerca o local. Um dos mais conhecidos, que deu nome a região, foi o naufrágio de duas embarcações portuguesas bem em frente à praia em 1753.

Vá sempre preparado

Roupas leves, sapatos confortáveis e fechados, alimentos energéticos, chapéu ou boné e filtro solar são indispensáveis. Também verifique a previsão do tempo para não ter surpresas, principalmente nas trilhas mais longas. Se tiver dúvidas sobre o trajeto, consulte sempre guias profissionais antes de fazer a caminhada.

E claro, respeite a natureza: não deixe nada no caminho.

6 Comentários

  1. Rafael

    Galera, a praia em que se inicia a trilha fácil para Naufragados é a caieira da barra do sul. A trilha para Naufragados a partir da solidão, após o pantano do sul e Açores é uma das mais difíceis da ilha. Acredito que houve um equivoco aí. Mas a matéria cita mesmo as mais fáceis mesmo! Bacana.

    Responder
    • O Barato

      Oi Rafael, você está certíssimo… Bugamos aqui… Mas vamos editar já! 😉 Obrigada pelo olhar atento! 😉

      Responder
  2. Carolinne

    Não deveriam utilizar o termo “consulte guias antes de fazer a trilha”, deveriam sugerir a contratação de pessoa especializada e formada para tal SEMPRE, lembrando que ano passado, foram vários os acidentes com turistas em trilhas justamente por todos acreditarem que podem fazer sozinhos e por conta. Todas as trilhas apresentam algum grau de risco e quando não se conhece a trilha, o risco aumenta.

    Responder

Escreva e participe

Fique tranquilo, seus dados nunca serão divulgados